É ilegal condicionar pagamento de contribuições sindicais a direitos trabalhistas

Em meados de 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por meio de votação, que é constitucional a alteração trazida pela reforma trabalhista (Lei 13.467/2017) acerca do fim da obrigatoriedade da contribuição sindical, conhecido também como imposto sindical.

Desde o início da vigência da lei no dia 11/11/2017, a polêmica em torno do fim da obrigatoriedade da contribuição sindical – principal fonte de custeio dos sindicatos – foi crescendo ao longo dos meses, com a consequente distribuição de várias ações civis públicas junto às Varas do Trabalho por todo o Brasil, exigindo-se que as empresas continuassem descontando de seus empregados o valor relativo àquela contribuição.

A decisão do Supremo colocou fim à insegurança jurídica que tomou conta da classe empresarial nos meses que se seguiram após a entrada da lei no ordenamento jurídico pátrio.

Contudo, o atual cenário encontra-se preocupante para os trabalhadores, haja vista que recentemente algumas entidades sindicais, em especial duas que atuam em São Paulo, estão condicionando direitos trabalhistas ao pagamento da contribuição sindical e assistencial. Isto é, os trabalhadores que optarem por não custear as contribuições “perderiam” direitos importantes que são objetos de negociação sindical, tais como reajuste salarial, vale-alimentação, participação nos lucros, dentre outros.

Ocorre que a atual postura adotada pelos sindicados é flagrantemente ilegal, eis que “nenhum direito decorrente de lei ou norma coletiva está condicionado a contribuir com sindicatos”, segundo o procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) , Dr. Juliano Alexandre Ferreira, em entrevista concedida ao site da UOL. Por força da constituição o sindicato deve representar todos os trabalhadores da categoria, independentemente se são filiados ou não, se contribuem ou não.

Ademais, a contribuição assistencial já era, antes mesmo da alteração da lei, optativa para o trabalhador, ao passo que a contribuição sindical deixou de possuir caráter obrigatório após a entrada da lei no ordenamento jurídico, não sendo permitido ao sindicato agora, selecionar quais empregados irá privilegiar em troca da concordância ao pagamento de tais contribuições.

Diante deste cenário, orienta-se que as empresas entreguem aos seus empregados uma carta de opção acerca dos descontos, havendo deste modo, uma comprovação expressa de que o empregado não autorizou o desconto em sua folha de pagamento caso o sindicato venha questionar.

Na hipótese de recusa de recebimento pelo sindicato da carta de opção de desconto, poderá o empregado fazer uma denúncia no site do MPT alegando irregularidade de atuação daquela entidade.

— Valéria Martins Silva, advogada trabalhista, associada do escritório Henrique & Gaspar Sociedade de Advogados.

Imprimir


Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Nós coletamos e processamos seus dados, conforme a LGPD e nossas Políticas, para prestar nossos serviços e permitir o funcionamento adequado deste site. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso de cookies.